Serviço de Orientação Religiosa e Pastoral

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A devoção a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está ligada intimamente ao Ícone Milagroso que traz a representação de Maria da Paixão. Este Ícone que hoje é venerado e conhecido em todo o mundo carrega uma história extraordinária, desde o seu surgimento na pequena Ilha de Creta, na Grécia, até o seu destino final, a cidade de Roma, onde está a capital do Catolicismo.

O pequeno quadro de madeira que mede 53 x 41,5 cm passou por momentos dramáticos ao longo de sua história. Foi venerado com grande devoção pelo povo cretense onde ele surgiu e depois roubado por interesses mesquinhos, voltou a ser venerado, mas pelo povo de outro país, e durante uma revolução foi perdido e ficou esquecido por longas décadas, até que teve o seu culto público restabelecido.

Motivo de graças extraordinárias por onde passou o pequeno quadro carrega a síntese do mistério da redenção de Jesus e traz como mensagem o amor de Deus pela humanidade por meio de Maria e o seu filho Jesus.

O surgimento

De autoria desconhecida, o ícone surgiu entre os séculos 13 a 17, entre um grupo de monges que oravam e pintavam a pessoa de Jesus e de Maria. Nessa época, a Ilha de Creta era um dos centros de produção de ícones de estilo bizantino; expressão artística de caráter religioso. Junto dos cristãos da Ilha de Creta o Ícone foi venerado com grande devoção e muitos milagres foram alcançados pela intercessão da Mãe do Perpétuo Socorro.

 

O roubo

Diante de tantas graças, conta a tradição, que um comerciante ganancioso no final do século 15 roubou o quadro e o levou para Roma. Durante a viagem para Roma, o navio passou por uma grande tempestade e nesse momento, Nossa Senhora operou mais uma graça salvando a vida de toda a tripulação e passageiros, incluindo a do comerciante.

Em Roma o comerciante ficou muito doente e se arrependeu de seu erro e pediu que um amigo cuidasse do quadro e na hora de sua morte pediu que o ícone fosse colocado em uma igreja. Mas a esposa do comerciante não quis abrir mão do quadro naquele momento. Anos mais tarde, uma criança de seis anos, da família do comerciante teve uma visão de Nossa Senhora pedindo que o quadro fosse entregue em uma igreja dedicada a São Mateus.

 

Venerado em Roma

O ícone só foi entregue pela família depois de muitas dúvidas e dificuldades. E, no dia 27 de março de 1499, na igreja de São Mateus Apóstolo, em Roma, voltou a ser venerado pelos fiéis romanos e ali operou milagres na vida de todos que a ele acorriam e na vida dos frades agostinianos que em um dado momento da história assumiram a igreja.

 

A Revolução Francesa e o esquecimento

A história ainda reservou outras tragédias. A Revolução Francesa de Napoleão Bonaparte invadiu Roma e destruiu igrejas, como aconteceu com a de São Mateus.

Conta a história que com a destruição da igreja, o ícone foi levado para a Igreja de Santo Eusébio e mais tarde, em 1819, pelos agostinianos para a igreja de Santa Maria, em Posterula, em Roma. Mas nessa igreja a devoção principal era Nossa Senhora das Graças e o ícone foi colocado em uma capela interna do convento e acabou ficando esquecido.

Nesse período, um irmão agostiniano chamado Agostino Orsetti que conheceu o ícone na igreja de São Mateus falava de um quadro milagroso de Nossa Senhora com o Menino Jesus ao colo. De alguma forma, ele conseguiu fazer com que o ícone não fosse esquecido totalmente.

 

A redescoberta e a missão dos Redentoristas

Em janeiro de 1855, os Missionários Redentoristas assumiram uma residência que foi construída justamente onde se encontravam as ruínas da igreja São Mateus e abriram ali o seu noviciado redentorista. Em 1863 uma pregação do padre jesuíta, Francesco Blosi, intrigou os Redentoristas, pois dizia que ali havia sido venerado um ícone de grande devoção de Nossa Senhora.

A arte bizantina sempre foca na transmissão de uma mensagem

O quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi pintado em estilo bizantino, uma expressão da arte que não pretende destacar cenas ou pessoas, mas transmitir uma mensagem espiritual.

 


Eis o simbolismo contido na imagem:

KPKPOK.jpg

1. Em grego, estas abreviações posicionadas à esquerda e à direita do quadro significam “Mãe de Deus”.

2. O quadro original foi coroado em 1867.

3. A estrela, quando associada a Nossa Senhora, significa que Maria é nossa guia até Jesus, conduzindo-nos pelo mar da vida até o porto da salvação.

4. Abreviação do Arcanjo São Miguel.

5. O Arcanjo São Miguel apresenta a lança com que foi perfurado o lado de Cristo, a vara com a esponja embebida em vinagre oferecida a Cristo na Cruz para que bebesse, e o cálice da amargura.

6. A boca de Nossa Senhora guarda silêncio.

7. A túnica é vermelha, cor da realeza e do martírio.

8. O Menino Jesus segura as mãos de Maria, que permanecem abertas como convite a colocarmos ali as nossas próprias mãos, unindo-nos a Jesus; e os dedos de Nossa Senhora apontam para o Filho, mostrando que Ele é o Caminho.

9. Abreviação do Arcanjo São Gabriel.

10. Maria olha diretamente para nós.

11. São Gabriel com a Cruz e os pregos.

12. Abreviatura de Jesus Cristo em grego.

13. Jesus veste roupas da realeza. O halo ornado com uma cruz proclama que Ele é o Cristo.

14. A mão esquerda de Maria sustenta Jesus: a mão do consolo que ela estende a todos os que a procuram nas lutas da vida.

15. A sandália desatada simboliza a humildade de Nosso Senhor Jesus Cristo e a esperança de um pecador que, agarrando-se a Jesus, vai em busca da Sua misericórdia. O Menino levanta o pé para não deixar a sandália cair, visando assim salvar o pecador.

16. O manto azul com forro verde sobre a túnica vermelha também apresenta cores da realeza. Somente a imperatriz podia usar essas combinações de cores na tradição bizantina. O azul, além disso, era ainda o emblema das mães.

17. Por fim, todo o fundo dourado destaca a importância de Maria: é símbolo de poder e nobreza, bem como da glória do Paraíso para onde iremos, levados pelo Perpétuo Socorro da Santíssima Mãe de Deus e Mãe nossa.

Serviço de Orientação Religiosa

Serviço de Orientação Religiosa é responsável pela dinamização pastoral do Estabelecimento, em conformidade com as diretrizes da Igreja Católica, favorecendo uma formação humano-cristã e a educação da fé. O SOR fica a cargo de uma equipe sob a responsabilidade de profissional credenciado na área e indicado pela Direção. Os componentes desta equipe são escolhidos, tendo em vista sua capacitação pessoal, quer em nível pedagógico, quer em nível pastoral.

A PASTORAL ESCOLAR

Tem como fundamento a missão de promover a Evangelização em todo âmbito acadêmico. Baseado nos valores humanos, éticos e solidários. A pastoral Escolar tem o objetivo de ampliar o horizonte dos alunos para além das expectativas acadêmicas e profissionais, por meio de ações solidárias, orações, reflexões, diálogos com diversas realidades sociais e culturais, conscientização da dignidade, respeito, em comunhão com os valores Cristãos.

A importância de rezar o terço todos os dias

O PASSO A PASSO DE COMO REZAR O TERÇO

sdas.jpg

Rezar o Terço diariamente é uma devoção muito querida do povo brasileiro.

Rezar a Deus junto com Maria é uma graça que não podemos desprezar.

Falar com a Mãe Maria é uma necessidade para um bom filho de Deus.

 

Muitos santos passaram por este caminho de peregrinação que é a nossa vida cristã rezando o Terço com devoção:

- São João Maria Vianney, padroeiro dos sacerdotes, tinha uma enorme confiança nesta oração, a ponto de dizer: “Com esta arma, afastei muitas almas do diabo”.

 

Não podemos esquecer o conselho de Santo Afonso Maria de Ligório: “Se quisermos, pois, ajudar as santas almas do purgatório, procuremos rogar por elas à Santíssima Virgem em todas as nossas orações, aplicando-lhes especialmente o Santo Rosário, que lhes dá grande alívio”. 

 

- São João Paulo II, que dizia: “O Rosário acompanhou-me nos momentos de alegria e nas provações. A ele confiei tantas preocupações; nele encontrei sempre conforto”.

 

- São Pio de Pietrelcina disse: “Amai Nossa Senhora e tornai-A amada. Rezai sempre o seu Rosário e divulgai-o”.

 

Além disso, podemos alcançar, pelo Rosário, a intercessão de Maria e graças para nossas famílias, assim como nos diz São Pio X: “Se quiserdes que a paz reine em vossas famílias e em vossa Pátria, rezai todos os dias, em família, o Santo Rosário”.

 

Podemos receber muitas graças pela oração do Terço, muitas pessoas chegam a afirmar que esta oração faz bem para a saúde, acalma o orante que está em meio a preocupações. 

 

Existem experiências muito impressionantes que não foram de milagres, mas sim de conversão. Isso porque, muitas vezes, aquele que recebeu um milagre nem sempre se torna um bom cristão.

 

Havia um rapaz que afastou-se de Deus; sua vida moral já era muito ruim e ele tinha sido coroinha desde pequeno. Então, sabia muito bem que não estava no bom caminho. Por isso, afastou-se das missas e dos grupos de que participava e sempre dizia que sentia uma enorme dor pela distância de Deus, mas não podia rejeitar suas tentações. Porém, uma coisa o sustentava. Ele dizia que sabia que estava brigado com Deus, seu pai, mas não com sua Mãe, Maria. Ou seja, ele rezava o Terço todos os dias, mesmo sabendo que estava em pecado mortal. Isso o manteve, mesmo que de maneira imperfeita e frágil, durante anos, até que pôde finalmente rejeitar suas tentações e voltar à comunhão com a Igreja.

 

Que belo exemplo de como o Terço é uma catequese que deixa marcas que podem salvar a vida cristã dos jovens!

unnamed_edited.jpg

Mistérios do terço

Mistérios Gozosos – Segunda-feira e Sábado

 

1º Mistério Contemplamos – A Anunciação do Anjo e a Encarnação do Verbo no seio Puríssimo de Maria

2º Mistério Contemplamos – A visitação de Maria a sua prima Santa Isabel

3º Mistério Contemplamos – Nascimento do Menino Jesus, na gruta fria em Belém

4º Mistério Contemplamos – A apresentação do Menino Jesus no templo, e a purificação de Maria

5º Mistério Contemplamos – A perda e o encontro do Menino Jesus no templo discutindo com os doutores da Lei

 

 

Mistérios Luminosos – Quinta-feira

 

1º Mistério Contemplamos – Batismo de Nosso Senhor Jesus Cristo no rio Jordão

2º Mistério Contemplamos – Primeiro milagre de Nosso Senhor Jesus Cristo transformando a água em vinho nas bodas de Caaná.

3º Mistério Contemplamos – Anunciação do Reino de Deus e o convite de à conversão.

4º Mistério Contemplamos – A transfiguração de Nosso Senhor no Monte Thabor

5º Mistério Contemplamos – A Instituição da Eucaristia na Última Ceia

 

 

Mistérios Dolorosos – Terça e Sexta-feira  

 

1º Mistério Contemplamos –  A oração e agonia no Horto das Oliveira

2º Mistério Contemplamos – Flagelação de Nosso Senhor Jesus Cristo

3º Mistério Contemplamos –  A coroação de espinhos de Nosso Senhor Jesus Cristo

4º Mistério Contemplamos – Nosso Senhor carregando a Cruz nas costas à caminho do Calvário

5º Mistério Contemplamos – A Crucifixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo

 

 

Mistérios Gloriosos – Quarta-feira e Domingo

 

1º Mistério Contemplamos – A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo

2º Mistério Contemplamos – A Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo

3º Mistério Contemplamos – A descida do Espírito Santo a Nossa Senhora e os Apóstolos reunidos no Santo Cenáculo

4º Mistério Contemplamos – A Assunção de Nossa Senhora aos Céus de corpo e alma

5º Mistério Contemplamos – A Coroação de Nossa Senhora como Rainha do Céu  e da Terra dos Anjos e dos Homens

1479521_465886.jpg

Confira as últimas notícias de Vaticano

Nossa Senhora do Sagrado Coração

ORIGEM DO TÍTULO:

 

Foi uma inspiração íntima do Pe. Júlio Chevalier, primeiramente ele vivenciou um grande amor do Coração de Jesus. Ele descobriu no Coração de Jesus, a resposta e o remédio para os males do seu tempo do século XIX, entre outros: o egoísmo e a indiferença religiosa.

A partir desta experiência profunda com esta espiritualidade do Coração, nasceu também um novo título à Maria e por sinal, muito original.

Nossa Senhora do Sagrado Coração.

Em agosto de 1884, escreveu o Padre Júlio Chevalier: “Sabendo que tudo se faz por meio de Maria, decidimos associá-la à difusão do conhecimento do Coração de seu Divino Filho. Mas necessitávamos de um título novo que indicaria sua colaboração na obra de regeneração. Foi então que nos veio a ideia de chamá-la Nossa Senhora do Sagrado Coração.

 

QUAL É O SENTIDO DESTE TÍTULO? 

Mostrar ao mundo aquela que foi abençoada por Deus,

dentre todas as mulheres.

Este título indica, ao mesmo tempo, a Mãe  que deseja conduzir todas as pessoas ao Coração de seu Filho Jesus e, por outro lado, participando da glória eterna, permanece nossa poderosa advogada, apresentando os nossos pedidos, junto ao Coração de seu Filho.

 


COMO SURGIU A IMAGEM?

 

Pe. Chevalier, inicialmente, tomou a imagem de Nossa Senhora das Graças, que era bem conhecida na época, pela divulgação da “medalha milagrosa”. Maria era apresentada de pé, com as mãos abertas e voltadas para o sol, para significar que ela espalha as graças sobre a terra como uma chuva de bênçãos. E, diante desta imagem, o Pe. Chevalier colocou a imagem de Cristo menino, por volta dos 12 anos de idade. Ele também estava de pé, indicando o seu coração com a mão esquerda e com a mão direita indicava sua mãe para significar: - “É através de minha mãe que os tesouros de meu Coração serão derramados sobre a terra”.

As pessoas estavam interessadas no “poder da intercessão”. Era o tempo em que predominava um refrão na Igreja:
 “A Jesus por Maria”. Tal imagem ligava o Cristo, Maria e a humanidade nos laços de um amor terno e compassivo. Mais tarde, por questões teológicas, a pedido de Roma, a imagem foi modificada.
Maria passou a ter então o menino Jesus nos braços, sem deixar de ser a mesma Nossa Senhora do Sagrado Coração.


Nossa_Senhora_do_Sagrado_Coração.png

PRIMEIRO MODELO DA IMAGEM DE

NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

QUANDO NASCEU ESTE TÍTULO?

 

Foi num dia de verão  de 1857, três anos depois de ter fundado a Congregação dos Missionários do Sagrado Coração, que tinha ocorrido em 08 de dezembro de 1854. Pe. Chevalier era, na época, um jovem sacerdote, com 33 anos de idade. Ele perguntou aos seus confrades sob que título Maria seria honrada na nova Igreja, que estava sendo construída?

Vários nomes foram dados. De repente ele disse: De hoje em diante Maria será chamada com o título de Nossa Senhora do Sagrado Coração. Tal ideia impressionou os seus primeiros companheiros. Porém, tal nome só foi revelado ao povo em 1861, quatro anos depois, quando foi inaugurada a primeira parte da Igreja.

 

A  IMAGEM DE NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

 

A  imagem de nossa Senhora do Sagrado Coração se comunica por si mesma. A Virgem do Sagrado Coração é uma boa ilustração do papel de Maria na Igreja:

A Mãe que nos leva a Cristo e nos entrega a Ele.

Nesta imagem o centro não é Maria, mas, sim a criança que nos chama a seu Coração.

 Assim, desde o começo, a devoção a Nossa Senhora do Coração tem sido uma devoção promovida como apoio e serviço à devoção ao Sagrado Coração.

A imagem de Nossa Senhora do Sagrado Coração nos mostra Maria tocando com a mão direita o Coração do Filho, como se estivesse nos pedindo: “Façam tudo o que ele mandar” (Jo 2, 5).
e apresenta o Menino Jesus apontando para a mãe, como a nos dizer com este gesto: “As graças que vocês querem receber do meu Coração, devem passar pelas mãos de minha mãe”.

2.jpg

NESTE LOCAL O PADRE JÚLIO CHEVALIER  ANUNCIOU O TÍTULO DE NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

MARIA, SOB O TÍTULO DE NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO É A ÚNICA QUE SE INSERE EM TODOS OS POVOS E SE INCULTURA ATRAVÉS DE TRAÇOS FISIONÓMICOS APROXIMADO AOS DAQUELE POVO, PARA QUE TODOS RECONHEÇAM O AMOR DO CORAÇÃO DE SEU FILHO.

fdgfd.png

Medalha das Filhas de Nossa Senhora

do Sagrado Coração

Pacto Educativo Global

ipui.jpg

Acolhemos a iniciativa mundial do Papa Francisco sobre a realização de um encontro para reconstruir o Pacto Educativo Global.  O evento aconteceria em 14 de maio, mas teve sua data alterada para o dia 15 de outubro, no Vaticano.

 

A proposta lançada pelo Pontífice foi divulgada em uma mensagem em que destacou que este trata-se de um “encontro para reavivar o compromisso em prol e com as gerações jovens, renovando a paixão por uma educação mais aberta e inclusiva, capaz de escuta paciente, diálogo construtivo e mútua compreensão”.

 

No Brasil, acolhendo a proposta de Francisco, as entidades trabalham em várias iniciativas para motivar os educadores dos ambientes da família, da escola e da sociedade a compreender a proposta do Pacto pela Educação. Ao todo, acontecerão dois eventos nacionais de lançamento do projeto “A Igreja no Brasil, com o Papa Francisco, no Pacto Educativo Global” para dar visibilidade à proposta do Pacto.

 

Para que comunidades, escolas, universidades e dioceses possam percorrer um caminho de reflexão e aprofundamento sobre o Pacto, as instituições organizadoras proporam um subsídio com orientações específicas, que será divulgado em breve. O texto contextualiza o que é o Pacto Global Educativo; apresenta a imagem da “aldeia educativa” que envolve família, escola e sociedade e pontua os elementos que fazem parte do processo educativo à luz do Pontificado do Papa Francisco.

 

As entidades esperam que o Pacto incentive ainda mais educadores e sociedade na aldeia que educa, assumindo o compromisso comum com a causa educativa.

 

De acordo com a irmã Cláudia Chesini, gerente de Relações Institucionais e de Pastoral da ANEC, o Pacto Educativo Global desafia a colocar a pessoa no centro, abraçando com cuidado, a Casa Comum, aqui no Brasil. “O convite é amplo e insistente”, finaliza.

 

Para saber mais sobre o Pacto de Educação convocado pelo Papa Francisco, acesse o site: https://www.educationglobalcompact.org/.